É dia de casamento emocionante, feliz e especial. Um lindo enlace homoafetivo, fruto de uma relação segura e sólida, pautada em amor profundo e muita cumplicidade.

Era janeiro, começo de um novo ano e de um novo ciclo de trabalho para ambos. A dança os uniu.

O espetáculo da Galinha Pintadinha estava se renovando, crescendo e precisando de mais elenco. E é aí que os noivos entram em cena: Ale como coreógrafo e Aca como bailarino.

Durante duas semanas, encontraram-se diariamente, mas estavam tão preocupados em desenvolver bem a nova função que mal se perceberam. Na semana seguinte foi aniversário do Ale, dia 13, e então, em um dos intervalos, o Aca se aproximou e arriscou um “capricorniano, né, Ale?”.

Mal sabia ele que essa era a melhor forma de puxar uma conversa.

O Ale, que é viciado nessas coisas, olhou e respondeu: “Sim, graças a Deus!”. E Acauã rebateu: “Eu também. Faço aniversário amanhãÄ.

O processo seguiu e logo a peça nova estreou. Sem essa preocupação na cabeça, foi mais fácil para eles se notarem.

Combinaram uma balada, o elenco todo, afim de comemorar a estreia do novo trabalho. Não poderia ter um cenário melhor: A Lôca.

Algumas horas e um shot de tequila depois, lá estavam os dois se beijando pela primeira vez.

Foi a primeira vez, talvez fosse a única (na cabeça de ambos), mas foi o primeiro dia do para sempre. Depois da balada continuaram se encontrando, afinal de contas trabalhavam juntos. Continuaram se falando, afinal de contas foi legal pros dois. E foram indo, indo e indo… Estão indo até agora.

Esperaram 1 ano para o pedido de namoro, dessa forma não teriam duas datas diferentes. Mantiveram o dia 23 de janeiro como sendo deles e é assim até hoje. O que era para ser uma aventura rápida e discreta, virou um casamento, uma casa, duas cachorras e uma família.

Juntos gostam de curtir as pets, assistir séries, vídeos engraçados, ir ao teatro, comer, conversar e dançar.

São a prova de que existe amor sem cobrança, sem ciúme, sem doença. A prova de que sempre haverá alguém que vale a pena e que não adianta ter pressa. A pessoa certa existe, mas só vai chegar na hora certa.

O Acauã e o Ale são a prova de que amor não enxerga nada além de amor e não existem barreiras e nem diversidades que detenham sentimentos verdadeiros, apenas existe amor.

Eles contaram com a Mari Dumanian para assessorar e organizar os detalhes do casamento, assim puderam curtir pra valer os preparativos.

A Mari é dessas profissionais que se apega ao casal e o resultado está aqui: uma troca de votos linda, leve e feliz.

Com vocês, um casamento emocionante e muito especial.

“Organizar um casamento não é fácil. Foi 1 ano pensando em cada detalhe, 1 ano planejando tudo.

Pensamos muito em tudo que queríamos e consultamos vários profissionais para garantir que nosso evento fosse tão mágico quanto queríamos.

No fim, depois de muitas pesquisas, escolhemos a Mari Dumanian. Com ela o casamento foi muito melhor do que sonhamos. A Mari é, com certeza, uma das responsáveis por isso.

Todos os quase 300 convidados só souberam tecer elogios e repetir várias vezes que foi um dos melhores casamentos que já foram na vida. Disseram que foi lindo, chique, elegante e divertido. Mas isso não quer dizer muita coisa, porque nós achamos que foi ainda melhor. Foi perfeito!

Agradecemos a Mari por fazer parte disso. Seu empenho, dedicação, profissionalismo e belo trabalho fizeram muita diferença!

Só temos a agradecer”.

Quem fez?

Assessoria: Mari Dumanian • Espaço: Fazendo Ueda (Mogi das Cruzes) • Buffet: Alpes Buffet • Celebrante: Roberto Bueno • Coral: Felipe Catão • Decoração: Floricultura Emy • DJ e sonorização: DJ Charada • Bar: Red • Fotografia: Claudia Oseki e Mario Nakase • Filmagem: TPA • Bem casados: Beth Bem Casados • Bancos: Recanto Sthefanes • Doces: Bolo da Lais • Traje dos noivos: Tiddy • Cabine de fotos: Moretti Fotos

Quem gostou espalha amor
0 comentários

Escrito por Flávia Queiroz

Publicitária, content creator e dedicada a ações que aproximam pessoas. Sou viciada em casamentos, mas de um jeito diferente da Gretchen.

Deixe um comentário