Se tem um item que está em alta entre os noivos atuais, é autenticidade. Casamento autêntico é tudo de bom, de preferência com muitos detalhes personalizados, abraços sinceros, noivos plenos e convidados tomados pelo clima da festa!

O enlace da Thais e do Helios teve tudo isso e muito mais.

É provável que você já tenha visto celebrações alegres e afetuosas, mas nenhuma como essa aqui!

Pra começar, o noivo é espanhol e a noiva é brasileira. Moram nos Estados Unidos, onde se conheceram, portanto, a lista de convidados incluiu gente de toda parte do mundo.

Os noivos também saíram da caixa ao planejar o grande dia, realizado no lindo Celeiro Quintal.

Optaram por um casamento autêntico em cada item, uma comemoração leve e genuína, que refletiu sua personalidade e história.

Olha só um trechinho do depoimento da Thais:

“Sempre foi nossa intenção ter um casamento irreverente e altamente personalizado. (…) Planejamos muitas coisas especiais que eram invisíveis aos olhos dos convidados, mas significavam um mundo inteiro pra gente”.

Percebem? Significado é algo lindo! Se faz sentido para o casal, faz sentido para o casamento e renderá a melhor experiência!

Essa é a grande lição do filme e das fotos a seguir.

Que tal se inspirar e trazer a sua essência para o grande dia?

Eis a minha listinha de itens prediletos:

♥ O buquê exuberante da Thais, que incluiu até antúrio. Aliás, a noiva ficou bonita por completo: vestido, cabelo, maquiagem. Lindíssima, feliz, saltitante… Uma verdadeira princesa versão 2020!

Reparem também no buquê de fitas. A ideia rendeu um dos momentos mais gostosos da festa!

♥ A decoração colorida. A cara dos noivos!

Lamore deixou o Celeiro Quintal ainda mais bonito e aconchegante com flores vibrantes, que combinaram super bem com a energia do evento.

A mesa de doces, recheada com as delícias da Soul Sweet, ficou simplesmente impecável. Deu até vontade de comer um docinho!

Degustem as fotos, leiam o relato completo da  noiva e reparem na empolgação das pessoas. Um casamento autêntico, com a identidade dos noivos escancarada em cada cena.

Com vocês, Thais e Helios.

“O Helios e eu nos conhecemos ajudando com a mudança de duas amigas, em Nova Iorque. Nos encontrávamos em festas de aniversário e reuniões naquele mesmo apartamento por um ano, até que nosso interesse um pelo outro ficou cada vez mais evidente.

Em maio de 2017, demos nosso primeiro beijo em um bar chamado Night of Joy (Noite da Alegria, em português) e nunca mais nos separamos.

Um ano e meio depois deste dia, ele me pediu em casamento no Whispering Gallery (Galeria do Sussurro), da estação de trem Grand Central Terminal, meu lugar favorito na cidade. Na Whispering Gallery, você sussurra um segredo em uma extremidade de um dos arcos, e a mensagem chega à pessoa na outra extremidade devido a um fenômeno acústico. Foi um momento absolutamente inesquecível!

O casamento exigiu um alto nível de estratégia, uma vez que o Helios é espanhol, eu, brasileira, mas vivemos nos Estados Unidos.

A data do casamento, o local e muitos dos detalhes foram cuidadosamente pensados para que pudéssemos receber a família e amigos que viajavam de mais de 5 países diferentes, além de dentro do Brasil, da melhor maneira possível. Além disso, 90% do casamento foi planejado à distância, o que nem sempre é uma tarefa fácil.

Quanto ao estilo do casamento, nós resolvemos analisar todos os detalhes de uma cerimônia de casamento e a festa, desconstruir a noção de um casamento tradicional e recompor os pedaços da maneira que faziam sentido pra gente. Mantivemos as partes tradicionais que nós gostávamos e mudamos as partes que não tinham nossa cara. Sempre foi nossa intenção ter um casamento irreverente e altamente personalizado.

Nossas cerimonialistas foram duas de nossas melhores amigas. Optamos por não ter padrinhos ou madrinhas, nem daminhas e pagens. Decidimos escrever nossos próprios votos e simbolizar nossa união com a cerimônia das velas. Não exigimos um traje aos nossos convidados. Fiz o buquê de fitas, já que a ideia da jogada do buquê não me agradava.

E acima de tudo, nos baseamos profundamente na filosofia de aceitação, ou seja, abraçar a ideia que nosso casamento seria maravilhoso dentro dos pequenos erros e imprevistos. Não importa o quanto você planeje, vai ter um choro de criança durante sua entrada, alguém vai ter um ataque de tosse durante o seu sim, alguém vai amassar seu penteado enquanto te abraça, alguém vai beber mais do que deve, alguém vai pisar no seu vestido enquanto dança, você vai esquecer de tirar foto com aquele familiar que você tanto ama, você vai perder a oportunidade de comer aquele docinho delicioso que você escolheu com tanto carinho…

A lista é infinita! Por isso, quando você elimina a pressão enorme que é planejar um casamento perfeito e se dá a oportunidade de amar cada momento do jeitinho que eles foram, grande parte do estresse pré-casamento é eliminado, e grande parte dos arrependimentos no pós-casamento também.

Acho que a parte mais especial do nosso casamento foram os detalhes que usamos que tinham um significado especial que só nós dois ou um grupo pequeno de pessoas poderia identificar: o pequeno Santo Antônio que peguei no casamento de uma amiga que colocamos na decoração; as fitas do bem casado que eram das mesmas cores que os bem casados que uma amiga nos deu de presente quando casamos no civil; uma trufa de chá verde feita especialmente para o nosso casamento, que era o mesmo sabor de uma sobremesa especial que dividimos no começo do nosso namoro; a música que dançamos, uma canção que o Helios cantou no meu ouvido e dançamos juntos numa estação de metrô em um dia que eu me sentia muito triste; a tatuagem temporária que fiz no tornozelo para ser a minha “something blue”; um pin que eu dei pro Helios de presente quando fizemos um ano de noivado, que ele colocou no bolso interno do paletó…

Planejamos muitas coisas especiais que eram invisíveis aos olhos dos convidados, mas significavam um mundo inteiro pra gente.

Além disso, particularmente, amei fazer o buquê de fitas. Foi um momento em que pude fechar os olhos e relaxar, ouvindo as risadas e os gritos de torcida dos convidados enquanto eu cortava as fitas uma por uma. As preocupações evaporaram por cinco minutos e eu só sentia alegria e gratidão.

No fim, a última fita pertencia a uma das minhas melhores amigas. Foi um momento realmente mágico!

Nosso conselho para os noivos é se apoiarem um no outro durante essa maravilhosa loucura que é uma festa de casamento.

Tentar estar juntos o máximo de tempo possível, porque vocês vão ser puxados para tudo quanto é lado. E, se possível, dar uma escapada e ficarem um pouco sozinhos. Quando fechamos nossa data com o Celeiro Quintal e vimos que eles tinham uma salinha privada para os noivos, nós rimos.

Pensava que não fazia nenhum sentido estar separada de todas as pessoas a quem tínhamos convidado. No fim, acabamos usando a tal salinha três vezes para escapar do tumulto, aproveitar a companhia um do outro e comer!”.

Thais e Helios, muuuuito obrigada por tanto amor e inspiração.

Sou apaixonada por casamentos leves e verdadeiros e fico feliz da vida por trazer um enlace como o de vocês para outros noivos e noivas.

Felicidades sempre. Amor sempre.

Viva os noivos!

Quem fez?

Espaço: Celeiro Quintal • Doces: Soul Sweet • Decoração: Lamore e CO. • Foto e filme: Beta e Borelli • Gastronomia: Divani Gastronomia • Bem casados: Ana Cristina Bem Casados • DJ: Hermes Pinna • Beleza: Puntuale (Donna Rachel) • Recreação infantil: Espaço Lilaboo

Quem gostou espalha amor
0 comentários

Escrito por Flávia Queiroz

Publicitária, content creator e dedicada a ações que aproximam pessoas. Sou viciada em casamentos, mas de um jeito diferente da Gretchen.

Deixe um comentário